NOTÍCIAS | Publicado em 14/04/2020 11:39:59    
Pandemia de coronavírus reduz índices de criminalidade em todo o Estado

Dados da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) mostram que as medidas restritivas adotadas em Mato Grosso do Sul por conta da pandemia de coronavírus, como o toque de recolher em vários municípios, refletiram também positivamente na segurança pública, com queda nas ocorrências de diversos crimes.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou que o mundo vive pandemia de coronavírus no dia 11 de março, e os números analisados são referentes às ocorrências registradas dias antes (de 9 a 15) e três semanas após (30 de março a 5 de abril).

Campo Grande foi uma das cidades que mais apresentaram índices satisfatórios desde o início da pandemia. Conforme levantamento realizado pela Coordenadoria de Fiscalização e Controle da Superintendência de Inteligência de Segurança Pública (SISP), crimes como homicídio doloso apresentaram redução de 50% na Capital. Enquanto no período de 9 a 15 de março foram dois assassinatos, de 30 de março a 5 de abril, foi registrado apenas um. Em Campo Grande, o toque de recolher começou no dia 25 de março.

Furto e roubo na Capital também apresentaram redução, sendo de 40% nos casos de furtos. De 9 a 15 de março foram registrados 297 e de 30 de março a 5 de abril, 178 casos. Roubo teve redução de 48%, sendo 87 casos no primeiro período da apuração para 45 casos entre final de março e início de abril. Tráfico de drogas apresentou queda de 31% – de 22 para 15 casos.

 

No Estado

Em nível estadual os números seguem na mesma trajetória da verificada na Capital. Crimes de trânsito apresentaram redução de 25% – de 80 casos de 9 a 15 de março para 60 casos entre 30 de março a 5 deste mês. Furto teve recuo de 640 para 444 casos (queda de  30%). Roubo foi de 56%, sendo a redução de 146 ocorrências para 64. Tráfico 39%, de 92 para 56 casos.

O secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, pontuou que desde o início da pandemia muitos ficaram em casa e o comércio permaneceu fechado, o que levou algumas pessoas a aproveitaram da situação.

“Aumentou o número de prisões no comércio. Pessoas que hoje são moradores de rua e dependentes químicos tinham como fonte de renda os semáforos, mas precisaram procurar outras fontes para sustentar os seus vícios”, diz Videira, acrescentando que “os crimes continuam independente do vírus. O nosso desafio agora não é [combater] apenas o crime, mas também [combater] o vírus. Temos que nos empenhar e se desdobrar para reduzir todos os índices”.

O levantamento da Sejusp mostra ainda que de 9 de março a 5 de abril em todo o Estado 90 pessoas foram flagradas descumprindo o toque de recolher, sendo 10 em Campo Grande.

Fonte: Vox MS

Assessoria de Imprensa do Consórcio Guaicurus