NOTÍCIAS | Publicado em 28/05/2019 09:48:05    
Prefeitura economiza quase R$ 1 milhão com lâmpadas led

A Prefeitura  de Campo Grande terá uma economia mensal de quase R$ 1 milhão (exatos R$ 996 mil) com a compra de 46.250 lâmpadas led que serão instaladas ao longo dos próximos 12 meses e passarão a representar 57% dos 110 mil pontos da iluminação pública da cidade.  Atualmente, só 15% (16.500 lâmpadas) da iluminação da capital (com 110 mil pontos) é feita com leds. Quando todas as 62.850 lâmpadas estiveram funcionando, a economia anual será de R$ 14 milhões com consumo de energia e manutenção.

 

O estudo de viabilidade técnico-econômica elaborado pela Divisão de Iluminação Pública da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) mostra que o gasto médio por lâmpada com energia elétrica, onde houver a substituição, vai cair 42,72%, de R$ 28,86 para R$ 16,53 por lâmpada, enquanto a despesa com a manutenção de lâmpadas terá redução de 65,97%, de R$ 14,05 para R$ 4,78 por lâmpada.

 

Esta economia é possível porque enquanto uma lâmpada a vapor de sódio funciona de 15 a 30 mil horas, precisando ser substituída, aproximadamente quatro anos após ser instalada, as de led podem durar até 50 mil horas, ou equivalente a 12 anos de vida útil, gerando economia com mão de obra e material.  O resultado é que a despesa mensal com  a substituição de lâmpadas queimadas baixará de R$ 649,8 mil para R$ 221 mil, economia de R$ 428,7 mil. Esta conta, ressalta-se , refere-se apenas as 46.250 lâmpadas que serão trocadas até maio de 2020.

 

Atualmente, o consumo de energia elétrica destes 46.250 pontos de iluminação que receberão leds  tem um custo mensal R$ 1.334.775,00. Com a troca, a despesa vai cair para R$ 764.512,50, uma economia de R$ 570,2 mil por mês.  Esta economia é possível porque as lâmpadas de led gastam em média 42,73% menos energia que as de sódio.

 

Com esta projeção, o investimento de R$ 31 milhões na compra e instalação das lâmpadas será pago em menos de três anos, para ser mais exato em dois anos e sete meses, tomando como base a economia mensal estimada em R$ 996 mil.  Este cálculo não leva em conta que a disputa na licitação garantiu redução de 54,52% no final de compra das lâmpadas que saiu por R$ 25 milhões (a instalação vai custar R$ 6 milhões), redução de 54,52% no custo final, gerando uma economia de R$ 29.944.537,50, já que o preço referência previsto no edital de abertura foi de R$ 50.13.050,00.

 

Estudo detalhado

 

O levantamento dos engenheiros elétricos da Sisep serviu de base para o processo licitatório (na modalidade registro de preços) homologado nesta segunda-feira (27). O trabalho não aponta apenas as vantagens econômicas da troca das lâmpadas fluorescentes e vapor de mercúrio por lâmpadas de led tele gerenciais adaptáveis para telemetria. Mostra também o impacto ambiental da substituição.

 

Em cada lâmpada de vapor de sódio há 4 e 14 miligramas de mercúrio, quantidade suficiente para causar danos à saúde, por ser acumulativo. Os resíduos são problemáticos, principalmente no descarte, pois pode afetar a câmara protetora de ozônio na atmosfera, além de contaminar o solo e o lençol freático. A reciclagem das lâmpadas fluorescentes é muito onerosa e atinge no máximo de 20% das unidades. Também há resíduos poluentes nos reatores (necessários para o funcionamento das  lâmpadas fluorescentes).

 

Fonte: Vox MS

Assessoria de Imprensa do Consórcio Guaicurus