NOTÍCIAS | Publicado em 13/07/2018 09:32:54    
Consumidor do MS vai pagar por furto de energia no norte do País

Projeto de lei já foi aprovado pela Câmara; matéria segue agora ao Senado

Projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional estabelece que todos os consumidores do País terão que arcar com os prejuízos que duas distribuidoras da região Norte sofrem com o furto de energia, os chamados “gatos”. A medida foi incluída no projeto relacionado à venda das distribuidoras administradas pela Eletrobras.

 

Segundo o relator da proposta, deputado Julio Lopes (PP-RJ), as distribuidoras beneficiadas pela medida são a Eletroacre e a Ceron, que atendem consumidores do Acre e de Rondônia, respectivamente.  Ele diz não ter balanço do impacto final na conta de luz dos consumidores, mas informou que os prejuízos referem-se ao período de 2009 a 2018.

 

A medida, incluída no projeto relacionado à venda de seis distribuidoras da Eletrobras aprovado na terça-feira, 10, pela Câmara dos Deputados, prevê o repasse desses prejuízos para as contas de luz. As duas estão entre as seis distribuidoras hoje administradas pela Eletrobras e que serão leiloadas.

 

De acordo com o deputado, o objetivo da medida é “preparar” as empresas para serem privatizadas. Antes de virar lei em definitivo, a proposta ainda precisa ser analisada pelo Senado e ser sancionada pelo presidente Michel Temer.

 

Perdas – As distribuidoras do país precisam comprar energia para atender a toda demanda dos consumidores que estão na sua área de concessão, mas parte dessa eletricidade acaba “perdida” devido a problemas técnicos ou então por furto.

 

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autoriza as distribuidoras a repassar para a tarifa uma parte das perdas que, calcula, essas empresas terão com esses problemas. Algumas, porém, têm perdas que superam o limite autorizado pela agência e acabam sofrendo prejuízos. É o caso da Ceron e da Eletroacre.

 

Mato Grosso do Sul – O rombo causado por fraudes e furto de energia elétrica em Mato Grosso do Sul alcançou R$ 46 milhões em 2015, segundo dados da Energisa/MS, um prejuízo com o qual o consumidor já arcou ao pagar a conta.

 

São Paulo – Em São Paulo, os consumidores que pagam suas contas de luz de acordo com o que realmente consomem sofrem um acréscimo de 17% em suas cobranças, por conta dos gatos alheios. Isso porque, para repor as perdas com os desvios de energia elétrica, a Light repassa parte do que é furtado para as faturas. Isso significa que, se um cliente em situação regular não precisasse arcar com o repasse decorrente das ligações clandestinas, uma conta de R$ 100 poderia baixar para R$ 83.

 

De acordo com a Light, o Rio é o estado onde mais se rouba energia no país. Do total de eletricidade distribuída na área de concessão da companhia, 23,9% são furtados, o equivalente ao consumo de todo o Estado do Espírito Santo.

 

Ainda segundo a Light, 55% dos gatos estão em regiões de maior poder aquisitivo, como Barra da Tijuca, Recreio, Ilha do Governador, Tijuca, Copacabana e Botafogo. Os outros 45% estão em comunidades.

 

Fonte: Vox MS

Assessoria de Imprensa do Consórcio Guaicurus