NOTÍCIAS | Publicado em 28/07/2021 11:13:39    
Prédio da Cultura recebe luzes especiais no mês dedicado às mulheres negras

Desde a segunda-feira, 26, o prédio do Memorial da Cultura Apolônio de Carvalho está iluminado com as cores preta, amarela, verde, azul e vermelha, da bandeira africana. A iluminação especial fica até esta quarta-feira, 28, em alusão a Campanha Julho das Pretas e ao Dia Estadual das Mulheres Negras.

O vermelho representa o sangue da luta do povo negro. O verde, as matas, o azul, o céu, o amarelo, o ouro/riquezas, e a preta, a cor da pele. Neste contexto, a iluminação do prédio vem carregada de simbolismo e, em especial, respeito.

O Governo de Mato Grosso do Sul instituiu o Dia Estadual das Mulheres Negras por meio da lei nº 5.254, de 17 de setembro de 2018 e, desde então, a Subsecretaria de Estado de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial (SubsRacial) promove a Campanha Julho das Pretas. A agenda deste ano precisou ser adaptada por conta da pandemia de coronavírus e boa parte da programação contempla lives, além de seminário e rodas de conversa.

O Julho das Pretas é uma estratégia para a ampliação e efetivação dos direitos, que coloca em evidência o debate estrutural de gênero, raça/etnia e classe e ecoa as vozes das mulheres negras em todo o Brasil. Foi instituído a partir de uma agenda conjunta com o movimento de mulheres negras internacionalmente.

No dia 29 de julho, a partir das 15h, acontece uma roda de conversa, com transmissão ao vivo pelo facebook do Governo do Estado, para apresentação das ações realizadas em julho e ainda com a presença de convidados que debaterão sobre várias temáticas que envolvem a população de mulheres negras, como violência doméstica, atendimento à saúde e empreendedorismo.

 História

O dia 25 de julho foi estabelecido como Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha durante o I Encontro de Mulheres Afro Latino-Americanas e Afro-caribenhas, que aconteceu em Santo Domingo, na República Dominicana, em 1992, com a participação de setenta países.

Na ocasião foi estabelecida a criação da Rede de Mulheres Afro latino-americanas e Afro-caribenha e a definição do 25 de julho como Dia da Mulher Negra latino-americana e Caribenha.

No Brasil, a Lei nº 12.987, de 02 de julho de 2014, instituiu o 25 de julho como Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

Tereza de Benguela foi uma importante líder quilombola que após a morte de seu companheiro, José Piolho, tornou-se a rainha do quilombo de Quariterê, localizado no Vale do Guaporé (MT), onde habitavam negros e indígenas entre 1750 e 1770.

No âmbito do Estado de Mato Grosso do Sul, o Dia Estadual das Mulheres Negras foi instituído pela lei nº 5.254, de 17 de setembro de 2018.

 

Fonte: Vox MS

Assessoria de Imprensa do Consórcio Guaicurus