NOTÍCIAS | Publicado em 01/09/2020 08:09:23    
Risco de contágio pela covid-19 no transporte é menor que em residências

Atualmente na cidade de São Paulo corre mais risco de se contaminar com o novo coronavírus, causador da Covid-19, quem mora com cinco ou mais pessoas do que quem usa o transporte público.

 

O dado faz parte do mais recente inquérito sorológico da capital paulista realizado pela Universidade de São Paulo e pela prefeitura.

 

Foram pesquisados 3.217 domicílios (excluindo imóveis comerciais) e a coleta na base das 472 Unidades Básicas de Saúde foi entre os dias 18 e 20 de agosto. Foi a quarta fase do inquérito, que realizou testagem nas pessoas pesquisadas.

 

O índice de prevalência, em toda a cidade, é de 11%, ou seja, estima-se que 1,3 milhão dos 12 milhões de moradores da capital paulista, já tiveram contato com o vírus.

 

De acordo com o levantamento divulgado nesta quinta-feira, 27 de agosto de 2020, nas residências com cinco ou mais moradores , a prevalência, ou seja, o risco de contágio foi de 16%.

 

Entre os que declararam usar o transporte público, nesta quarta fase do inquérito sorológico, a prevalência foi de 10,3%, bem menor que as pessoas que moram em casas com cinco ou mais ocupantes, e um pouco menor entre as pessoas que não usam o transporte coletivo que totalizaram 11,3%.

 

Em relação à ocupação dos paulistanos, o inquérito sorológico comprovou que quem trabalha em casa está mais protegido, com prevalência de 4,4%. O maior risco está entre os que se declararam estar desempregados: 18,1%. Entre os que trabalham fora de casa, a prevalência é de 11,9%.

 

Na apresentação, o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, disse que o risco de contágio em famílias grandes é maior que nos ônibus.

 

“Um dado importante que mostra a questão do uso do transporte coletivo pelas pessoas nos aponta que o fator principal do processo de contaminação é muito mais o da residência, da transmissão na família, do que eventualmente a transmissão de quem utilizou o transporte coletivo. Esse é um dado novo e foi possível a gente fazer a tabulação e compararmos com as outras três fases. Quem utilizou e quem não utilizou o transporte coletivo é possível perceber nesta fase 4, pequena diferença, praticamente não existe diferença”. – explicou o secretário.

 

Um dos motivos para este dado é que no transporte público as pessoas estão mais cautelosas, com máscaras e usando álcool em gel que levam nas viagens, enquanto que em casa, a tendência é de relaxarem.

 

Em relação à faixa etária, o maior índice de contaminação é entre pessoas de 18 a 34 anos (13,1%).

 

Levando em conta a raça e a etnia, a contaminação maior é entre pretos e pardos (15,1%), o dobro que nos brancos (7,5%).

 

A classe com maior risco é a D/E, com prevalência de 18,2%, quase cinco vezes mais que na classe A/B, cuja prevalência é de 4,4%

 

Fonte: Diário do Transporte

Assessoria de Imprensa do Consórcio Guaicurus